Uva Corvina: Italiana tem frescor e sabor de cereja

Ad Blocker Detectado

Our website is made possible by displaying online advertisements to our visitors. Please consider supporting us by disabling your ad blocker.

Já ouviu falar dos vinhos Valpolicella e Bardolino? Pois a Uva Corvina é a principal parte deles, e de outros sucessos da indústria de vinhos. Sua origem está ligada à produção vinícola de Verona, sendo seus primeiros registros de cultivo datados de 1824. E tem mais história e sabores…

A Corvina é estrela do grandioso vinho tinto Amarone della Valpolicella e no Valpolicella, combinada com partes da uva Rondinella e Mollinara, suas parceiras mais frequentes. Porém, também é encontrada em vinhos varietais interessantes e muito populares.

Oriunda de Verona, na Itália, é especialmente recomendada à passificação, processo no qual as uvas passam por secagem antes da fermentação para perderem água. Com isso, a concentração de açúcar e a proporção de matéria seca aumentam.

A desidratação provoca um tipo de estresse na Corvina, resultando em sabores e aromas únicos. Por causa da passificação, o vinho conta com mais estrutura e complexidade gustativa e aromática. As uvas passificadas ainda tornam o vinho apto a envelhecer por muitos anos.

Uma dica para encontrar bebidas com esse efeito é buscar vinhos rotulados como Amarone della Valpolicella. Assim, você provará alguns dos mais concentrados e apreciados vinhos tintos da Itália, com bastante corpo e graduação alcoólica.

 

Entenda as características da Uva Corvina

 

Entre os melhores vinhos produzidos com essa casta está o tinto Campofiorin Rosso del Veronese 2011, do produtor Mossi. Ele traz 25% de uva Rondinella, 70% de Uva Corvina e 5% da uva Molinara. É um clássico italiano, e um dos mais emblemáticos da região do Vêneto.

A bebida passa por dupla fermentação, técnica de passificação no estilo do Amarone, fazendo do vinho uma bebida extremamente complexa e aromática. Para você ter uma noção de seu poder, a safra de 2011 recebeu simplesmente 91 pontos do renomado Robert Parker. No mundo dos vinhos, é, sem dúvida, uma das melhores aquisições italianas.

A Uva Corvina tem casca grossa, bagos ovais de tamanho médio e tom azulado escuro, além de cachos compactos em forma de pirâmide. Aliás, o nome corvina remete à cor escura deles, que lembram as penas de um corvo. Em italiano, corvo é corvino.

A Uva Corvina é chamada ainda de Corvina Veronese. É uma casta que demora a brotar e, também, amadurecer. Suas vinhas são vigorosas, costumam ter boa resistência ao frio e excelente produtividade.

 

Harmonização do vinho à base de Uva Corvina

 

Uma sugestão para harmonizar um varietal de Corvina, por exemplo, é apostar em Spaghetti aos frutos do mar.

O vinho tinto Valpolicella e Bardolino funcionam bem com pratos leves e queijos amarelos para o almoço; enquanto o Amarone é mais recomendado para acompanhar refeições de alta gastronomia, pois é encorpado, possui longa permanência e sabor marcante.

Ou seja, ele requer maior requinte ao harmonizar com as refeições.

O vinho resultante da Uva Corvina tem cor profunda e elegante; é tânico, bem estruturado e acentuadamente fresco devido sua ótima acidez. Chocolate, couro, ervas, cerejas, amêndoas e noz-moscada, geralmente, são os aromas mais frequentemente associados à Corvina.

Quando há maior produção por vinhedo, isto é, os rendimentos são mais altos, os tintos feitos com Uva Corvina podem ser mais frutados, frescos e leves. Os clássicos de Valpollicella e Bardolino são exemplos disso.

Agora que você sabe um pouco mais sobre a Uva Corvina e os vinhos produzidos a partir dela, espero que fique mais fácil harmonizar bebidas incríveis, pratos especiais e bons momentos com a família ou amigos.

Experimente essa variedade italiana famosa e tudo o que ela é capaz de proporcionar ao seu paladar. E deixe a vida com um toque de cereja inigualável. Aproveite!

Beba com moderação. Se beber, não dirija.

Até a próxima!

Leave a Reply